sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Chet Baker - O anjo caído


Chet Baker foi como um anjo que desceu ao inferno. No início da carreira, encantava as mulheres pela beleza e o canto suave. Vinte anos depois, era um junkie de rosto sulcado, perseguido pela polícia. Com seu trompete romântico, foi um dos criadores do "west coast jazz", a variante californiana do cool lançado por Miles Davis e Gerry Mulligan, e, como cantor, influenciou a bossa nova.
Chesney Henry Baker nasceu em Yale, Oklahoma, em 23 de Dezembro de 1929, e se mudou com a família para a Califórnia, em 40. Na infância, começou a cantar na igreja e ganhou um trompete do pai. Aos 16 anos, alistou-se no Exército e começou a tocar em bandas militares.
Em 52, já como músico profissional, acompanhou Charlie Parker em turnê pela costa oeste. Em seguida, entrou para o seminal Gerry Mulligan Quartet, que criou o estilo "west coast". Suas versões de 'My Funny Valentine' e 'Moonlight in Vermont' com Mulligan são clássicas. Dois anos depois, ele conquistou um novo público ao lançar-se como cantor, à frente do próprio quarteto.
Apesar do sucesso, sua vida ia de mal a pior, com seguidas detenções por porte de heroína. Na Itália, onde morou nos anos 60, passou mais de um ano preso. O vício deteriorou sua reputação nos Estados Unidos, embora ele ainda fosse aclamado na Europa, onde, nos anos 70 e 80, gravou alguns de seus melhores discos.
Em 13 de Maio de 88, Chet teve uma morte trágica, ao cair da janela de um hotel em Amesterdão. A causa do acidente tem duas versões: suicídio ou excesso de drogas. O que dá quase no mesmo.

HELTON RIBEIROColaboração para Folha Online
Retirado de:
http://jazz.folha.com.br/

domingo, 25 de janeiro de 2009

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Danny Kaye e... Louis Armstrong




Nasceu a 18 de Janeiro de 1913 em Nova York e faleceu a 3 de Março de 1987 em Los Angeles.
Filho de um alfaiate de origem ucraniana iniciou a sua carreira artística no circuito judeu de hotéis de férias, nas proximidades de Nova Iorque.
Em 1941 casou-se com a pianista e compositora Sylvia Fine, autora das primeiras canções e “sketchs” que o tornaram famoso como humorista na Broadway.
Estreou-se em Hollywood em 1944 no filme " Sonhando com os Olhos Abertos". Por mais de uma década foi considerado um dos melhores comediantes do cinema americano.
Fonte: Wikipédia


terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Jazz e animação.


SMOOTH JAZZ ABSTRACT ... animação "sui-generis"...



domingo, 18 de janeiro de 2009

Para o fim da tarde de domingo... Bob Marley


Ano - 1973. "Stir it up" o reggae aqui relembrado na voz de Bob Marley.



quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Animação e... Ópera


Bugs Bunny e Elmer Fudd no "Barbeiro de Sevilha" feito em 1950. Simplesmente espectacular!...

>

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Para o fim da tarde de... segunda-feira.


Pois é... em vez de domingo... desta vez é à segunda-feira.
Aqui vos deixamos a voz de Buika na canção: "Mi nina lola" (um must...).

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Nina Simone (Ain't Got No...I've Got Life)




Nina Simone (Tryon, 21 de Fevereiro de 1933 — Carry-le-Rouet, 21 de Abril de 2003) foi uma grande pianista, cantora e compositora americana. O nome artístico foi adotado aos 20 anos, para que pudesse cantar Blues, a "música do diabo", nos cabarés de Nova Iorque, Filadélfia e Atlantic City, escondida de seus pais, que eram pastores metodistas. "Nina" veio de pequena ("little one") e "Simone" foi uma homenagem à grande actriz do cinema francês Simone Signoret, sua preferida.
Nina Simone também se destacou e foi perseguida por ser negra e por abraçar publicamente todo tipo de combate ao racismo. Seu envolvimento era tal, que chegou a cantar no enterro do pacifista Martin Luther King. Casada com um policial nova-iorquino, Nina também sofreu com a violência do marido, que a espancava.
Em um breve contacto com sua obra, aqueles que não conhecem percebem logo a diversidade de estilos pelos quais Nina Simone se aventurou, desde o gospel, passando pelo soul, blues, folk e jazz. Foi uma das primeiras artistas negras a ingressar na renomeada Juilliard School of Music, em Nova Iorque. Sua canção “Mississippi Goddamn” tornou-se um hino activista da causa negra, e fala sobre o assassinato de quatro crianças negras numa igreja de Birmingham em 1963.
Nina esteve duas vezes no Brasil, e seu último show ocorreu em 1997 no Metropolitan. Era uma intérprete visceral, compositora inspirada e tocava piano com energia e perfeição. Morreu enquanto dormia em Carry-le-Rouet em 2003.


domingo, 4 de janeiro de 2009

Para o fim da tarde de domingo


Não queriamos começar 2009 sem apelarmos ao "Homem" e à sua possibilidade de criar um mundo melhor para todos... Imaginem... como seria bom!...