domingo, 29 de abril de 2012

Esquece! - Os Ekos



Formados em 1963, em Lisboa, Os Ekos são uma das referências mais importantes daquilo que ficou conhecido como o “yé yé”. Na origem d’ Os Ekos esteve o vocalista Edmundo Falé, vindo dos Baby Twisters, outro grupo lisboeta, e as suas origens estavam na zona de Campo de Ourique. A formação inicial incluía , ainda, Mário Guia (bateria), António Joaquim Vieira (baixo), Joca Santos (guitarra ritmo) e João Camilo Júnior (guitarra solo). Em 1964 conhecem o cantor dos britânicos Shadows, em Albufeira. Cliff Richard (que ainda hoje mantém residência no Algarve e se encontra ligado ao negócio dos vinhos dessa região) torna-se amigo dos membros do grupo. Como Os Ekos gostavam muito dos temas de Cliff e os Shadows contrataram um segundo vocalista, Zé Luís, que cantava todas as canções da banda inglesa, que o público pedia nos seus espectáculos. Edmundo Falé abandona Os Ekos, ainda em 1964, e junta-se ao Conjunto Mistério, outra famosa banda da época, que estaria na origem do Quarteto 1111. Em 1965 editam o seu primeiro EP, após conseguirem contrato discográfico com a etiqueta Alvorada, que contém o tema “Esquece”, uma versão de “Hold On” de P. J. Proby. O disco ainda continha os temas originais “Os Tristes Olhos”, “Lamento Aos Céus” e “Ilusão”. Nos espectáculos, ao vivo, prara além de tocarem alguns originais, Os Ekos faziam versões dos Rolling Stones, Beatles ou Animals e tornaram-se muito famosos por isso mesmo. Um novo EP, que incluía os temas “Diz Que Me Amas”, “O nosso Amor Terminou”, “Hoje, Amanhã E Sempre” e “Mentira” é lançado em 1965. Em 1966 sai novo EP , desta feita com temas totalmente originais da banda: “Só”, “Oh! Isabel”, “Vou Ficar Sem Ti” e “À Espera Da Nossa Vez”. Em 1966 a banda sofre remodelação de elementos devido ao serviço militar obrigatório relacionado com a guerra colonial e apenas restam, da formação original, Mário Guia e João Júnior. Para os lugares dos restantes elementos entram Zé Nabo, Luís Paulino e Tony Costa. Este último fica encarregado das teclas e a banda sofre, também, uma evolução no seu estilo musical enveredando por temas originais cantados em inglês e uma sonoridade mais “beat”. Em 1966 é editado um novo EP com 4 temas , entre os quais “Secret Love” e “Baby On My Mind”. Em 1967 editam outro EP com os temas “I Saw That Girl”, “A Place In Your Heart”, “Nova Geração” e “We’re Gonna Be Free”. Após terem aceite acompanhar Magdalena Pinto Basto, uma nova estrela da sua editora, nas gravações do EP de estreia da cantora, João Júnior decide ir viver para Angola e apenas Mário Guia ficou como elemento da formação original, tendo decido terminar com a banda. Pouco depois tornar-se-ia empresário dos Objectivo, uma das bandas mais importantes do cenário Rock português. No início dos anos 70, alguns elementos de Os Ekos resolveram reformar a banda e incluir nela uma secção de metais, à maneira de bandas como os Chicago ou os Blood Sweat And Tears. Mário Guia não aceitou participar nesta nova aventura. A banda é , agora, constituída por Joca Santos, António Vieira, Zé Luís, Carlos Teixeira e Franklin Simões. Em 1970 gravam o último EP do grupo, o qual inclui os temas “Sol E Paz”, “Ardentemente”, “Habitat 736” e “Verdade”. Mário Guia ainda estaria ligado à música por muitos anos , já que foi ele o homem que abriu o Rock Rendez Vous, durante muito tempo a sala mais importante do circuito Rock nacional.



quarta-feira, 25 de abril de 2012

Que Força essa é amigo!



Que Força é Essa
Sérgio Godinho
Composição: Sérgio Godinho

Vi-te a trabalhar o dia inteiro
construir as cidades pr´ós outros
carregar pedras, desperdiçar
muita força p´ra pouco dinheiro
Vi-te a trabalhar o dia inteiro
Muita força p´ra pouco dinheiro

Que força é essa
que força é essa
que trazes nos braços
que só te serve para obedecer
que só te manda obedecer
Que força é essa, amigo
que força é essa, amigo
que te põe de bem com outros
e de mal contigo
Que força é essa, amigo
Que força é essa, amigo
Que força é essa, amigo

Não me digas que não me compr´endes
quando os dias se tornam azedos
não me digas que nunca sentiste
uma força a crescer-te nos dedos
e uma raiva a nascer-te nos dentes
Não me digas que não me compr´endes

(Que força...)

(Vi-te a trabalhar...)

Que força é essa
que força é essa
que trazes nos braços
que só te serve para obedecer
que só te manda obedecer
Que força é essa, amigo
que força é essa, amigo
que te põe de bem com outros
e de mal contigo
Que força é essa, amigo
Que força é essa, amigo
Que força é essa, amigo
Que força é essa, amigo

sábado, 21 de abril de 2012

Oh Carol!


Os Conchas eram um duo constituído por José Manuel Aguiar de Concha e Fernando Gaspar.

Em 1960 venceram a primeira edição do concurso "Caloiros da Canção" da Rádio Renascença na categoria de grupos. Daniel Bacelar foi o vencedor na categoria de artista a solo.

Em Setembro de 1960 é editado um EP conjunto, "Caloiros da Canção 1", com versões dos Conchas para "Oh Carol" e "Quero o Teu Amor" ("Should We Tell Him" dos Everly Brothers). Os outros dois temas eram "Fui Louco Por Ti" e "Nunca"de Daniel Bacelar.

Ainda em 1960 editaram novo EP, "Novos ídolos da Canção", com os temas "Adão e Eva" (versão de Paul Anka), "Serás Tu Para Mim" ("Let it be me"), "Sonhos" ("Dreamin'") e "O Fantoche do Amor" ("Cathy's Clown").

O EP "Green Fields" (1961) inclui os temas "Greenfields" (Verde Campina), "Oh!Jenny", "Poesia Em Movimento" e "Don Juan".

Nesse ano é editado o EP "Em Férias" com os temas "Venham As Ferias", "Férias", "Romance Férias" e "A Hora Do Adeus".

Em 1962 editaram os EPs "Tentação" e "Somos Jovens".

O EP "Lição de Twist" inclui os temas "O Twist Peppermint", "Let's Twist Again", "Multiplicações" e "Lição de Twist".

Como José Manuel Concha & o conjunto Os Conchas é editado um EP com os temas "Sebastião Come Tudo", "Uma Guitarra E Um Copo De Vinho", "Suzana" e "Novo Fado Da Severa".